turismolazer03

rmonos201901

pdm2revisao

estrategia 25

risco incendio

Penamacor une tempos e patrimónios raianos

O II Colóquio de Arqueologia e História do Concelho de Penamacor – 40 anos depois – Ciências, Territórios e Saberes em Mudança recebeu mais de 30 comunicações de investigadores dos dois lados da fronteira. Durante o colóquio ficou a promessa da criação de um Centro de Estudos Transfronteiriço

Penamacor reuniu, nos dias 25, 26 e 27 de outubro, investigadores de várias instituições de ensino superior de Portugal e Espanha, no II Colóquio de Arqueologia e História do Concelho de Penamacor – 40 anos depois – Ciências, Territórios e Saberes em Mudança. Ao todo, foram mais de 30 comunicações que contribuíram para um salto qualitativo no conhecimento do património e história do território raiano. No primeiro dia do evento, foram ainda homenageados Candeias da Silva, António Lopes Pires Nunes e Fernando Patrício Curado por serem memórias vivas do primeiro Colóquio e por todos os trabalhos realizados e publicados em prol da região nestas duas áreas tão nobres que ali foram debatidas durante três dias. Também Silvina Silvério e José Luís Cristóvão foram homenageados por deixarem não menos honrosos testemunhos nas áreas da História e da Arqueologia, para a região e para o concelho de Penamacor em particular. Do programa constaram, ainda, três dias repletos de investigação sobre arqueologia, história e património. O primeiro dia foi dedicado à Memória do Primeiro Colóquio, no qual, além destas homenagens, se realizaram também comunicações com o tema “Fronteira, Património, Desenvolvimento e Futuros”. No segundo dia, decorreram três painéis, sendo que o primeiro se dedicou ao “Território Malcata-Gata, entre a Pré-História e o Domínio Romano”, o segundo dedicado aos “Tempos de Guerra e de Paz na Fronteira Penamacor Extremadura do Século XII ao Século XX” e um terceiro que visou os “Patrimónios Materiais e Imateriais da Raia Luso-Extremenha”. Já no último dia, desenrolaram-se diversas visitas guiadas ao património histórico e arqueológico da região, com paragens no Convento de Santo António de Penamacor, Bemposta e Salvaleón.
De realçar que a sessão de abertura do evento contou com a presença de Suzana Menezes, Diretora Regional de Cultura do Centro, Juan Pedro Carrasco Moreno, do Parque Cultural Sierra de Gata, de Ángel Espina Bárrio, da Universidade de Salamanca, de Luís Pereira, da Comunidade Intermunicipal da Beira Baixa, de Amalio Robledo Rojo Alcalde del Ayuntamiento de Valverde del Fresno, do Vice-reitor da Univeridade da Beira Interior, José Páscoa, de Pedro Salvado, Coordenador da Comissão Científica do Colóquio, e de António Luís Beites Soares, Presidente da Câmara Municipal de Penamacor.
Na sessão de encerramento, ficou a promessa de António Luís Beites Soares, Presidente da Câmara Municipal de Penamacor, de que não serão necessários mais 40 anos para a realização do terceiro colóquio. O autarca disse esperar que dentro de quatro ano se realize nova edição do evento, elogiando o trabalho histórico e científico produzido neste segundo colóquio. António Luís Beites Soares deixou ainda a garantia que, resultado deste II Colóquio de Arqueologia e História do Concelho de Penamacor, o Município vai começar a trabalhar para que seja criado um Centro de Estudos Transfronteiriços. Para o Presidente da Câmara Municipal é tempo de repensarmos a cooperação transfronteiriça pois muito foi feito, mas foi perdido muito do ritmo e das redes estabelecidas nos inícios do século XXI. “Vamos criar em Penamacor uma unidade de investigação vocacionada para o estudo, atualização do conhecimento e entendimento das problemáticas destes territórios da raia central. Trabalharemos numa perspetiva interdisciplinar e numa geografia emocional de proximidade raiana mas que será sempre aberta ao mundo contemporâneo. A fronteira continua a ser presença nos nossos quotidianos e creio ser muito importante pensar o que significam as fronteiras a partir de uma milenar fronteira da história de Portugal como a  nossa de Penamacor. O centro será um fórum de junção de saberes e contamos já o apoio de um amplo grupo investigadores oriundo dos maiores centros do saber e universidades de Espanha e de Portugal”.
O II Colóquio de Arqueologia e História do Concelho de Penamacor – 40 anos depois – Ciências, Territórios e Saberes em Mudança pretendeu assinalar os 40 anos da reunião pioneira que decorreu em 1979. Este evento teve, ainda, como objetivo atualizar e renovar as problemáticas, os objetos de estudo e as linhas de investigação das duas áreas que se encontraram em debate, numa perspetiva transfronteiriça e de futuro comum.

Mais de 30 comunicações de Portugal e Espanha
O II Colóquio de Arqueologia e História do Concelho de Penamacor – 40 anos depois – Ciências, Territórios e Saberes em Mudança contou com mais de 30 comunicações de várias instituições de ensino superior de Portugal e Espanha. Universidade da Beira Interior, Universidade de Coimbra, Universidade de Évora, Instituto Politécnico de Castelo Branco, Escola Superior de Gestão de Idanha-a-Nova, Escola Superior de Artes Aplicadas de Castelo Branco, CEAUCP – Faculdade de Arquitetura do Porto, Universidade de Salamanca, Consejo Superior de Investigaciones Científicas - CSIC e Universidade de Valência foram as escolas representadas, entre outras várias instituições dos dois lados da fronteira.

1 4b 2 3 1a   4 5 6 7 8   9   10   11   12   13   14   15   16   17   18   19   20   21   22   23

28/10/2019

 

tl bt



bm bt46
rcbpenamacor

 

vm2019s

fl20191

mp20191

hora do conto 320191

aterratreme2019

link exposicoes