Caros Munícipes
Há quatro anos atrás iniciámos um processo de reestruturação financeira da autarquia, que se encontrava numa situação bastante delicada. Implementámos um novo conceito de gestão, com princípios rigorosos em termos orçamentais, que se traduziu numa assinalável redução do passivo. Hoje, somos um município com as contas em dia, pagamos tudo a pronto pagamento e devolvemos uma imagem de credibilidade do nosso concelho para o exterior.
Considerando que a rede de infraestruturas do município se iniciou na década de 60, era imperativo apostar na requalificação das mesmas, visando a otimização das redes de água e saneamento, bem como a construção de redes separativas de águas pluviais, projetando o concelho para os próximos 50 anos e, consequentemente, reduzindo os custos estruturais, bem como garantindo a sustentabilidade do sistema.
Através deste enorme investimento, que abrange todo o concelho, em obras já concluídas, a decorrer ou projetadas, sempre aproveitando as oportunidades de financiamento comunitário, foi possível juntar o útil ao agradável, e promover uma profunda requalificação do espaço público visando a promoção turística e uma imagem rejuvenescida do concelho.
Todos nós sabemos que se queremos um concelho mais atraente e competitivo, urgia conferir à Vila, enquanto principal polo aglutinador do território, por todas as razões, uma imagem renovada, capaz de tornar melhor a vida de quem nela vive e trabalha, de surpreender e atrair a atenção de quem a visita e, o mesmo é dizer, de potenciais interessados em investir no concelho. De resto, o investimento nas demais freguesias não foi irrelevante, sendo que, com a aprovação das ARUs para todas elas, sem exceção, abriu-se o caminho para o próximo surto de obras de requalificação dos seus centros urbanos.

 

 

 

Para além destes investimento estruturantes, o papel da Câmara Municipal é muito mais abrangente e tem que criar condições para o investimento, facilitar os processos e, simultaneamente, proporcionar bem-estar aos cidadãos.
Nesta fase do mandato, é já possível perceber pontos de ligação de uma estratégia que visa a potenciação dos recursos de um modo progressivo e integrado, sem nunca perder de vista o sentido imediato de melhor servir a população.
Sabemos que a nossa salvação não está apenas na agricultura, na agroindústria ou na floresta, que tão pouco está na indústria ou no comércio tradicional, e também sabemos que o turismo não será remédio para todos os males; mas sabemos que é fundamentalmente com estes setores que temos de contar, com mais ou menos arrojo, certamente alguma inovação e muita criatividade.
Naturalmente que, com a criação das condições físicas destinadas a potenciar investimento empresarial, é chegado o tempo da viragem estratégica para aumentar a atratividade empresarial, visando a instalação de novas empresas e a consequente criação de postos de trabalho.
Nas páginas deste “Penamacor - Boletim Informativo” damos conta minuciosa do que se fez neste primeiro semestre de 2017, do que se está a fazer e do que se perspetiva para futuro.

 

O Presidente da Câmara


António Luís Beites Soares

 

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

PROPRIEDADE: Câmara Municipal de Penamacor
DIRETOR: António Luís Beites Soares
COORDENAÇÃO: Joaquim Nabais
DESIGN: Vítor Gil